PESQUISA CLINICA EMESCAM

Ensino e Pesquisa - Formar e qualificar profissionais, construir novos conhecimentos e estimular a inovação são ações alinhadas à estratégia da instituição e cuja aplicação resultem melhorias na saúde da população. Inclui as pesquisas atualmente em desenvolvimento, listadas a seguir:

 Pesquisa Clínica e Experimental: Coordenado pelo Dr. Danilo Nagib Salomão Paulo, professor do curso de Medicina da Emescam, tem por ob­jetivo de capacitar e administrar recursos investidos em projetos de pesquisa para desenvolvimento de inovações tecnológicas na área de saúde, desenvolvendo, vários projetos de iniciação científica, pesquisas (tese de doutorado) e artigos publicados.

 

1 - Como é sua atuação junto ao Instituto Solidário? Sua contribuição profissional?

Eu sou o Coordenador do Departamento de Apoio à Pesquisa do Instituto Solidário e a minha contribuição tem sido no sentido de orientar médicos, professores, alunos aqui na Emescam, a desenvolverem seus projetos de pesquisa clínica e experimental.

 

2 - Qual ou quais projetos desenvolve, quais ações desenvolvidas e resultados esperados?
Os projetos que tenho desenvolvido dizem respeito à cirurgia experimental sobre o baço, mais especificamente, sobre o pólo inferior do baço em ratos o baço, mais especificamente, sobre o pólo inferior do baço em ratos o que aliás, constitui a minha linha de pesquisa. Recentemente estou orientando uma tese de doutorado que será apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais em que se procura verificar o efeito protetor do pólo inferior contra infecção abdominal que será provocada experimentalmente. Espera-se que o pólo inferior irá aumentar a sobrevida de animais submetidos à essa infecção experimental (peritonite) em relação aos animais que tiveram o seu baço totalmente retirado.

 3- Quais os desafios e ganhos desse projeto?
Os desafios desse projeto tem sido a falta de animais de experimentação (ratos) uma vez que a Emescam deixou de produzir esses animais. A alternativa encontrada tem sido a compra de animais da Fiocruz, Rio de Janeiro. Os estudos experimentais sobre o pólo inferior do baço têm mostrado que esse remanescente mantém as funções do baço que são mais evidentes com o passar do tempo, quando então o pólo inferior, que representa 30% do baço normal, começa a crescer e passa a cumprir melhor as funções do baço.  
 
4 - Explique a relevância desse projeto para a sociedade e a saúde de todos?
 A relevância desse projeto se prende ao fato de que em casos de trauma esplênico por projetil de arma de fogo, ou por arma bran
ca ou por contusões, se o pólo inferior está preservado, ele pode ser mantido e assim preservar as funções do baço. Dessas funções, a mais importante é a imunológica que permite que esse órgão defenda o organismo contra bactérias invasoras que irão causar infecção generalizada, às vezes até com morte. Como foi dito o pólo inferior teria a função de impedir essa verdadeira catástrofe orgânica.

5 - Relate alguma experiência de sucesso, um depoimento de algum atendido, uma história curiosa.
Há quatro anos atrás operamos uma paciente na Santa Casa de Vitória porque ela tinha um volumoso cisto esplênico que comprometia a porção superior e média do baço. Durante a cirurgia foi conservado o pólo inferior pois ele não estava comprometido pela doença. A paciente evoluiu bem no pós-operatório imediato. Os exames feitos a seguir mostraram que o pólo inferior havia crescido. Atualmente a paciente goza de boa saúde. É interessante assinalar que fui eu que idealizei a cirurgia com preservação do pólo inferior. O primeiro trabalho que publiquei foi em 1999, um estudo que realizei em cães. Desde então tenho publicado trabalhos sobre o assunto, abordando aspectos técnicos e funcionais desse remanescente esplênico. O pólo inferior já foi motivo de tese de mestrado e doutorado e os estudos sobre o assunto prosseguem.